sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Comissão do Congresso discute MP da flexibilização da Voz do Brasil

Campanha de Flexibilização da
 Voz do Brasil feita pela ABERT
Medida Provisória 742/16, que autoriza a flexibilização do programa A Voz do Brasil durante as Olimpíadas e Paralimpíadas, já começou a ser analisada por uma comissão mista do Congresso Nacional. Instalada no dia 22, a comissão é presidida pelo senador Paulo Bauer (PSDB-SC) e tem como relator o deputado José Rocha (PR-BA). A MP flexibilizou o horário de veiculação do programa entre 19h e 22h, durante o período de 5 de agosto e 18 de setembro. A flexibilização durante os jogos olímpicos e paralímpicos foi uma resposta ao pedido da ABERT para que houvesse um horário alternativo, a exemplo do que foi feito durante a Copa do Mundo de 2014. Naquele período, apenas um terço (33%) das rádios flexibilizou o horário. Durante as Olimpíadas, esse número foi ainda menor: 20% aderiram à flexibilização. Segundo o diretor geral da ABERT Luis Roberto Antonik, a explicação para a baixa adesão está no fato de as emissoras brasileiras terem adaptado seus planos de negócios e, diferentemente do que acontece em todo o mundo, na sua maioria, terem desistido do horário noturno. "Para a esmagadora maioria das emissoras, não há razão para alterar a grade horária por um curto período de tempo", justifica. 
80 anos no ar 
A Voz do Brasil foi criada em 1935, durante a ditadura Vargas, com o objetivo de levar informações sobre as ações do governo federal para a população. Tratava-se de um serviço de 30 minutos diários e pago. Naquele ano, o Brasil tinha apenas 41 emissoras de rádio, todas AM, e nenhuma TV. "Era uma realidade completamente diferente. A população costumava dormir às 21 horas, não havia escola noturna. E hoje, a frota de veículos é de 45 milhões, e antes alcançava apenas 90 mil carros. Hoje o Brasil tem mais de 11 mil rádios e 16 mil geradoras e retransmissoras de TV. A rede brasileira de emissoras educativas e comunitárias possui cerca de seis mil emissoras de rádios e 220 emissoras de televisão educativa", avalia Antonik. Atualmente, cerca de 50% das rádios e TVs educativas são controladas pelo poder público (Executivo, Legislativo, Judiciário) e universidades públicas. Além desses meios, a maioria dos órgãos dos três poderes possuem sites de informação e prestação de serviços na internet. "Não se trata de extinguir a Voz do Brasil, mas de adequar o programa à nova realidade. Já imaginou se todo mundo tivesse que parar o que faz às 19 horas? Com o rádio é assim. E justo quando você mais precisa dele, para ouvir informações de trânsito, música e entretenimento no horário de pico. Por isso, a flexibilização do horário da Voz do Brasil, das 19 às 22 horas, precisa ser aprovada já", defende Antonik. 
Baixa audiência 
De acordo com a Pesquisa Brasileira de Mídia 2014 da Presidência da República sobre a audiência do programa, 32% dos entrevistados disseram não conhecer a Voz do Brasil, nem mesmo "só de ouvir falar". Quando perguntados sobre se ouviam o programa e em quantos dias por semana, 66% responderam que nunca ouvem. Antonik explica que mesmo com o texto da MP, as emissoras de rádio continuarão obrigadas a retransmitir o programa, já que a flexibilização proposta é de três horas e o programa deverá ser retransmitido pelas emissoras comerciais e comunitárias, sem cortes, entre 19h e 22h. O setor de radiodifusão defende a flexibilização permanente do horário de veiculação do programa, “com o intuito de aumentar a disposição do ouvinte em acompanhar a Voz do Brasil e, consequentemente, aumentar a audiência das emissoras”, afirma Antonik. Para ele, a possibilidade de escolher o horário de transmissão da Voz do Brasil terá reflexos na audiência da emissora. “Cada rádio tem um público-alvo, com isso, o horário de veiculação do programa deve ser decidido pela própria emissora, sempre em benefício do seu público. Seria muito importante a flexibilização permanente para as rádios transmitirem sua programação com mais liberdade”, disse. "O Brasil do terceiro milênio não admite obrigar as pessoas a ouvirem um programa de rádio que elas não querem ouvir", completa.  
Horário flexível 
Segundo o relator da MP na comissão, um substitutivo poderá ser apresentado, mantendo a flexibilização em definitivo, após os jogos do Rio. "Vai ser um horário determinado, entre 19h e 22h. As emissoras serão obrigadas a anunciar o horário que vão retransmitir a Voz do Brasil, para que o ouvinte possa se programar para ouvir naquele horário, sem ultrapassar as 22h”, disse Rocha.
Fonte: Abert

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Propaganda eleitoral gratuita em Rádio e TV começa nesta sexta-feira (26)

A partir dessa sexta-feira  dia 26 de agosto, as emissoras de rádio e televisão deverão transmitir a propaganda eleitoral gratuita para que os candidatos a prefeito e vereador em todo o país possam expor suas propostas. Com a Reforma Eleitoral de 2015 (Lei nº 13.165/2015 que alterou a Lei nº 9.504/97), o período da propaganda foi reduzido de 45 para 35 dias. Portanto, o último dia de propaganda no primeiro turno será 29 de setembro, conforme prevê a Resolução TSE nº 23.457. Os canais de rádio e televisão deverão reservar dois blocos de dez minutos cada, duas vezes por dia, de segunda a sábado, no caso de campanha para prefeito, pois a Lei 13.165 acabou com a propaganda eleitoral em bloco para vereador. No rádio, a propaganda será transmitida das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10. Na televisão, os candidatos vão se apresentar das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40. Já as inserções serão veiculadas em tempos de 30 e 60 segundos para prefeito e vereador, de segunda a domingo, em um total de 70 minutos diários, distribuídos ao longo da programação entre 5h e 00h. A divisão deverá obedecer a proporção de 60% para prefeito e 40% para vereador. Em relação aos diversos fusos dos estados, o horário da propaganda eleitoral gratuita deverá sempre considerar o horário oficial de Brasília.
Fonte: TSE

DO BLOG
A maioria das emissoras estão preparando conteúdos diferenciados ou  vão seguir normalmente  a programação via internet. Daí a importância dos aplicativos.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Goulart de Andrade e os bastidores do rádio

O apresentador e jornalista Goulart de Andrade morreu na madrugada desta terça-feira, 23, no Hospital Sancta Maggiore, em São Paulo. Aos 83 anos, o profissional estava internado há cerca de duas semanas para o tratamento de problemas no sistema cardiorrespiratório, mas seu estado se agravou. Ele deixa a mulher, tinha três filhos, três netos e uma bisneta. Goulart iniciou a carreira de mais de seis décadas na extinta TV Rio, com o programa ‘Preto no Branco’, em 1958. Nos anos 1970, trabalhou no ‘São Paulo Especial, ‘Fantástico’ e no ‘Comando da Madrugada’, todos pela TV Globo. Ele acumulou passagens pelas principais emissoras do pais, como Tupi, Band, SBT e Record, onde desempenhou papeis relacionados ao mercado publicitário, direção e atuação. 
“Vem Comigo” 
Seu último trabalho foi na TV Gazeta, com o programa ‘Vem Comigo’, cujo nome faz referência ao bordão criado pelo profissional e reconhecido como sua marca. Na atração, ele lidava com alunos da Fundação Cásper Líbero, que tinham a missão de repaginar reportagens históricas para a linguagem atual. O acervo pessoal do apresentador está disponível na Cinemateca de São Paulo, com mais de 12 mil horas de gravações.
Em 1983, Goulart de Andrade foi visitar os bastidores de um programa de rádio de humor, chamado "Balancê", que ia ao ar pela Rádio Excelsior (hoje CBN). Na matéria, Goulart conversou com Fausto Silva, então apresentador da atração, e o convida para apresentar um programa na TV Gazeta, o "Perdidos na Noite". 29 anos depois, ( esse vídeo é de 2014) os alunos de Comunicação da Faculdade Cásper Líbero Giuliana Giannoccaro, Allan Bezerra, Marcela Araújo Denardi e Dâmaris Dellova discutiram o humor nas mídias brasileiras. Eles entrevistam a Cia de Humor Os Barbixas, composto por Daniel Nascimento, Anderson Bizzocchi e Elidio Sanna, que ganhou sucesso com vídeos publicados na internet, tudo é claro com a supervisão do grande jornalista Goulart de Andrade que nessa edição, mostrou os bastidores  do programa "Na Geral", da Rádio Bandeirantes, que mistura futebol e humor e conversou com o  humorista e locutor comercial e publicitário Beto Hora. Valeu Goulart De Andrade, muito obrigado pelos 61 anos de ótimos serviços prestados ao jornalismo.
Fonte: Comunique-se  e  Fundação Cásper Líbero

Rádio Estadão acerta na contratação de dois experientes jornalistas esportivos

Sem muito alarde, a Rádio Estadão contratou dois grandes jornalistas que estrearam nessa segunda-feira dia 22-08 - são eles os experientes Luis Carlos Quartarollo que estava no mercado desde sua saída da Rádio Jovem Pan e Marília Ruiz, que trabalhou na Folha de São Paulo, Diário Lance e TV Record entre outros. Os dois se juntaram ao âncora César Sachetto que comanda o programa  "Estadão Esporte Clube"  que vai ao ar das 19 as 20 horas de segunda a sexta-feira no FM 92.9 Mhz de São Paulo. O debate com a interação do ouvinte funciona bem, mas pra ser melhor ainda falta a presença de pelo menos dois repórteres que poderiam chamar as sonoras e interagir com os comentaristas  em vez de simplesmente o âncora chamar uma sonora do treinador do clube por exemplo e na volta debater o assunto falado com os outros colegas. Muito bom Estadão, mas dá pra melhorar.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Pós Olimpíada, e agora ?

Não foi só a Olimpíada que surpreendeu a todos de forma positiva, nós voltamos a sentir orgulho do país, mesmo sabendo dos problemas econômicos e políticos. O Futebol se reergueu, o esporte de uma forma geral voltou a ter o seu devido espaço, mas o que ressalto aqui foi a surpreendente cobertura dos veículos de comunicação  do nosso país. Cada um com sua verba e a sua maneira  de cobrir o evento, o destaque foi a cobertura de televisão, sem dúvida uma das melhores do mundo, o rádio fez o seu papel e voltou a ser aquele rádio que cobria vários eventos além do futebol, teve até emissora olímpica como deveria ser sempre, mas sempre tem o "mas" que atrapalha. Infelizmente voltamos a realidade, agora com um bônus de 19 medalhas olímpicas.   O bom desse lado olímpico é que  vários colegas conseguiram trabalhos temporários, e o legado em CLT ou PJ não existe e outro grande evento não deve acontecer tão cedo.  Os grupo de comunicação com raríssimas exceções devem fazer novos planejamentos que incluem cortes, congelamentos de vagas e desligamentos. A rádio de esportes que tem o nome do mesmo banco que foi patrocinador de destaque na Olimpíada ainda não deu sinal de renovação de contrato com o Grupo Bandeirantes e a continuidade é incerta, assim como o da Rádio Trânsito que começou a cortar pessoal antes do final da Olimpíada e como não há um patrocinador para arcar os custos o fim deve ocorrer.
A saída para muitos é a política, mas com  as novas regras  em vigor onde não pode ter o financiamiento de empresas jurídicas nas campanhas, assim  as contratações também devem ser bem menores se compararmos as eleição anteriores.

Rádio Estadão estreia Estadão Discute

A Rádio Estadão, que estreia neste sábado, dia 27, às 20h  o "Estadão Discute", a atração tem como objetivo apresentar o ponto de vista mais detalhado sobre o tema mais relevante daquela semana. Também haverá uma edição aos domingos, no mesmo horário. Apresentada por Haisem Abaki
 Com a estreia, a Rádio Estadão fortalece a grade de programação de final de semana. Assim, aos sábados e domingos, a noite da rádio será a seguinte: das 20h às 21h, Estadão Discute; da 21h às 22h, Entre Nós; da 22h às 23h, Adega no Rádio; e das 23h às 24h, Estadão Noite Melhores Momentos. “Pensamos em um programa de acordo com o perfil do ouvinte de sábado e domingo, que é mais eclético. As atrações desses dias tendem a ser mais temáticas e de interesse geral, com informação e opinião, mas sem deixar o hard news e notícias ao vivo, marcas da emissora”, afirma Paula Marinho, gerente de Jornalismo da Rádio Estadão.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Com 12 milhões de ouvintes, a Rádio Santos FC completa um ano de informação e entretenimento

No sábado passado, (6-8) foi comemorado o primeiro ano de existência da Rádio Santos FC. O que começou como um veículo meramente institucional, hoje, alcança milhões de torcedores do Peixe em todo mundo. Os números chegam a marca dos 12 milhões de ouvintes A rádio entrou em atividade no primeiro minuto dia 6 de agosto de 2015, mas já com uma programação de 24 horas, com muita música e boletins com ídolos e funcionários do Alvinegro Praiano. A primeira transmissão ao vivo da Rádio Santos FC foi no dia 12 de agosto, na vitória do Santos por 1 a 0 diante do Vasco da Gama, com gol de Victor Ferraz, em partida válida pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. A rádio foi idealizada pelo então Gerente de Comunicação do Santos FC, Fabiano Farah, atualmente Executivo da Presidência do clube. A rádio é mais um veículo oficial do  clube com ótima aceitação e que visa a qualidade na divulgação da informação e da marca Santos FC. O sucesso é comprovado pelos números alcançados já neste período, além do feedback recebido pelos ouvintes. A Rádio conta com os seguintes programas: Boletim Alvinegro; Charme, Beleza e Futebol Arte; Memória Santista, Meninos de Ouro, Nos Corredores da Vila, Papo Santista, Um Passado Só de Glórias e Gols do Santos. E, nas transmissões das partidas, tem o Agito Alvinegro (Pré-Jogo), o Intervalo Alvinegro e Festa Alvinegra (Término do jogo ) com participação dos torcedores pelo Whatsapp. 
A Rádio conta com: Alexandre Prieto, Ramone Ártico, Ademir Quintino, Edvar Gomes, Wilmar Calomino, Fabiano Farah, Fúlvio Feola, Isabel Luchesi, Rafael Libona, Thauã Sousa e Ricardo Cardoso. Em breve será divulgada a nova programação da rádio, com muitas novidades e novas vozes. Uma surpresa aos nossos ouvintes. A Rádio Santos, parafraseando o hino do Santos, é um orgulho que nem todos clubes podem ter.
Fonte: RádioSFC - Fúlvio Feola